domingo, 18 de fevereiro de 2018

Já está escolhido o tema da festa de anos da Isabel!

Querem adivinhar qual vai ser o tema da festa de anos da Isabel e da prima Alice?

Um destes desenhos animados, claro. :)


A maior paixão da vida dela são os cães da Patrulha Pata, mas este ano consegui convencê-la a fazer de outro de que ela gosta também muito. Então, o que combinámos foi que ficaria com o bolo da Patrulha Pata para cantar os parabéns no dia de anos, na escola (diz que quer um bolo de chocolate com smarties e com todos os cães da Patrulha Pata - se tiverem dicas e soluções porreiras para não transformar o bolo na coisa mais açucarada do mundo e que fique giro, digam!) e que a festa com a Alice seria da Masha e o Urso. Tinha de ser algo consensual entre as duas primas e confesso que também eu me divirto imenso com aqueles desenhos animados e acho que dá pano para mangas para fazer uma mesa gira.

A festinha vai ser em Évora, em casa dos avós, e vou ter a ajuda da My Little Love, que está já a preparar um lanche delicioso (espreitem a página que tem coisinhas lindas). Em princípio, iremos ter gelatinas, mousse de morango, iogurte grego com mel, bolachinhas decoradas, brigadeiros e beijinhos de coco, pipocas e gomas, mini saladas de fruta e mini cupcakes. De salgados pensámos em mini wraps, mini empadinhas de galinha, mini merendas mistas, espetadas de tomate cherry e mozzarella e uma tábua de queijos com pães, bolachinhas e grissinos. 

O que vos parece? Eu já estou a babar! :)

Sim, ainda falta um mês, bem sei, mas a Isabel não me deixa esquecer do dia NUNCA! Anda num excitex nunca antes visto! 

No dia de anos, vou estar de férias e estava a pensar, além de levá-la ao meu trabalho, algo que me pede todos os dias, ir com ela ou ao cinema ou ao Bounce, que nunca experimentámos. Dêem-me ideias, que serão bem-vindas!

Apeteceu-me despedir-me de vocês com "beijinhos", como se fossem minhas amigas e não é que vou mesmo?

Beijinhos!



www.instagram.com/joanapaixaobras

Nota: o Facebook decidiu mudar o seu algoritmo e a partir de agora vai mostrar-vos mais posts dos vossos amigos e menos de páginas onde fizeram like. Querem saber quando publicamos coisas?
👉 Aqui na página de Facebook da Mãe clicam onde diz “A Seguir” e seleccionam "Ver Primeiro"
Sigam-nos também no Instagram:
E nos nossos pessoais:






Não gosto mais de ti! Já não sou tua amiga!

A palavra que mais impacto teve em mim, até agora, que a Irene tenha dito foi "mãe". Acho que faz sentido e que não é surpreendente. Aquela mãe foi como se, numa vez só, me tivesse tirado 30kgs de cima (teria sido bom se fosse literal), me tivesse arrumado a casa toda e ainda tivesse feito a cama de lavado depois de uma sessão calminha de amor (ahah wtf?). 

Depois disso, a miúda fala e fala que se desunha. Somos só duas cá em casa (além dos gatos Noddy e Bubbles) e, por isso, levo com a conversa toda - e adoro a maior parte do tempo. Por ser eu quem cuida maioritariamente da Irene tenho de ser eu a principal disciplinadora e sabem uma coisa? Não me custa. Não me custa dizer-lhe que não. O que tenho a seguir - nem sempre - é uma birra estridente e algumas frases horríveis como "Não gosto mais de ti!! Já não sou tua amiga!!". 

Fotografia por Joana Hall e macacões de Little Jack. 


Já reparei que há outras pessoas que levam isso a peito, que levam isso mais a sério. Tenho a sorte de não levar. Não levo nada que ela me diga a peito. Se nem nós, adultos, com tanta experiência em cima e, supostamente, mais dois dedos de testa a nível emocional não conseguimos dizer as coisas como queremos e quando devemos ou, simplesmente, ficarmos calados. Quanto mais uma miúda de (quase) 4 anos? 

Digo-lhe (até há um livro muito giro da Edicare chamado "Meu amor") que gosto dela sempre: quando está contente, zangada, triste... Tento dar-lhe outras sugestões sobre como poderá lidar com a frustração. Como, por exemplo, gritar o que está a sentir, fechando as mãos com força. Sei lá (sei um bocadinho que já pensei nisto, mas só sei o que sei haha). 

Eu serei sempre tua amiga, Irene e gostarei sempre de ti. Tal como tu gostarás sempre de mim, independentemente das nossas birras que as há. Ou porque tu dizes que não é porque eu digo que não. É natural.

Nota: o Facebook decidiu mudar o seu algoritmo e a partir de agora vai mostrar-vos mais posts dos vossos amigos e menos de páginas onde fizeram like. Querem saber quando publicamos coisas?
👉 Aqui na página de Facebook da Mãe clicam onde diz “A Seguir” e seleccionam "Ver Primeiro"
Sigam-nos também no Instagram:

sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

Tenho 31 anos e um dente de leite.

Gosto muito de vos fazer sentir normais. Ok, é só metade verdade. Eu gosto mesmo é que vocês me façam sentir normal. 

Aqui a menina tem uns dentes aparentemente impecáveis, parecem 10 chiclas (de nada, Porto) todas espalmadas, maaaaaas por dentro está tudo a gritar socorro qual o nosso corpinho por dentro de uma malha rasquinha da Berskha e sem nada por baixo. 

Eis senão quando há aqui um dente de leite. Que resiste. Que não sai faça chuva ou faça gomas da Hussel pelo gargalo abaixo. 

Um dente de leite que aguentou uma sessão de desvitalização na semana passada, mas que esteve até hoje a odiar-me e a deitar olhares gulosos ao Brufen que está em cima do balcão da cozinha. 

Este dente que hoje vai levar uma segunda sessão de desvitalização que, muito provavelmente não irá resolver nada. E nisto o que se passa? A menina aos 31 anos vai por um implante, muito provavelmente. Além de não ter poupanças para isso - acho que dá para por 1/3 de implante - não estou a conseguir lidar com um implantezinho na boca.

Ainda se fosse nas mamas... dois assim redondos para não ter que usar soutien para fingir que não estão ambas deprimidas. 

Ah! Isto porque tenho o dente de leite, mas não tenho definitivo por baixo. Maravilha. Tenho dores.



Nota: o Facebook decidiu mudar o seu algoritmo e a partir de agora vai mostrar-vos mais posts dos vossos amigos e menos de páginas onde fizeram like. Querem saber quando publicamos coisas?
👉 Aqui na página de Facebook da Mãe clicam onde diz “A Seguir” e seleccionam "Ver Primeiro"
Sigam-nos também no Instagram:

quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

Feliz dia dos Namorados a ti que és Mãe (e Pai)

Há um antes e um depois de sermos pais, sem dúvida alguma. Nem todos os dias somos namorados. O ideal é que sejamos, mas convenhamos: nem sempre há tempo, cabeça, vontade. Já tive fases em que, se analisasse de fora, sem nos conhecer, diria que éramos colegas de casa: parecíamos dois estudantes, mas sem a parte do álcool: noitadas sem dormir, acordar como se um camião nos tivesse passado por cima, provas diárias, trabalho, stress, trânsito. Os nossos pés mal se tocavam na cama e queríamos era dormir o pouco que desse. Necessidades básicas primeiro que tudo (ainda temos dias assim). Mas, havendo algo de muito forte a unir-nos, sabíamos que seria uma fase e que iria passar. Se nunca tivermos sido de grandes manifestações de romance, surpresas atrás de surpresas, não se nota tanta diferença se calhar. Nunca fomos essas pessoas. Uma torrada na cama já é o supra-sumo do romantismo (eu cá adoro). Eu vejo romantismo em pequenas coisas. E não, não é questão de me contentar com pouco. Não é preciso, para mim, grandes manifestações de amor, nem é preciso vomitar algodão doce, para que a relação esteja de boa saúde. Lembro-me sempre de alguém que dizia que a mulher era uma pintura, de tão bonita, e que lhe fazia isto e aquilo e acontecia e foi-se a ver e tinha uma amante e andava a oferecer caixas de chocolates iguais às duas. Não preciso de caixas de chocolates sequer. Preciso de uma relação sólida, de um amigo para a vida, que, claro, queira estar comigo, viver comigo, ter planos e sonhos comigo e que não se deixe consumir pela confusão que há às vezes em nossa casa. Que seja, como eu, paciente e se saiba adaptar às mudanças que os filhos trazem. São a prova maior. 
Agora, claro que não se pode deixar morrer o amor, a paixão, o romance. Mas há várias formas de o fazer. Não tem de ser no dia dos namorados, mas também pode ser. Só o simples verbalizar que se tem saudades de ir jantar fora, ir ao cinema ou a um concerto, ou ir para um hotel é, para mim, romântico. Mesmo que não se proporcione. Temos de fazer com que se proporcione, mas nem sempre depende só de nós. Depende muito da boa-vontade de terceiros. E, se essa não houver, tentar dar a volta à rotina: um jantar à luz das velas e uma série na TV, se não se adormecer, claro. 😊
 
A ti que és Mãe*, 
e cujo coração ganhou mais gente dentro
não te esqueças que bateu primeiro pela pessoa que te fez querer ser Mãe*
Feliz Dia dos Namorados
(e todos os outros dias).
 
*e Pai



www.instagram.com/joanapaixaobras

Nota: o Facebook decidiu mudar o seu algoritmo e a partir de agora vai mostrar-vos mais posts dos vossos amigos e menos de páginas onde fizeram like. Querem saber quando publicamos coisas?
👉 Aqui na página de Facebook da Mãe clicam onde diz “A Seguir” e seleccionam "Ver Primeiro"
Sigam-nos também no Instagram:
E nos nossos pessoais:

O que querem dizer os desenhos deles?

É tentador interpretar os desenhos deles. Pelo menos para mim, além de ser tentador é extremamente interessante. Já quando era animadora de festas de aniversário para crianças, quando sugeria que todos desenhassem, ficava deliciada a observar o processo e também as mais variadas explicações que iam dando.  Era nessa actividade que conseguia conhecer os miúdos e era a parte que mais me entusiasmava - a parte de andar a ouvir berros de um lado para o outro e de evitar que se partissem todos não era o que mais me agradava. 

Além de ter uma amiga que teve alguma formação neste sentido e de já me ter sugerido algumas possíveis interpretações para desenhos da Irene - aconteceu naturalmente, não estive a submetê-los para diagnóstico, ahah - no outro dia, quando passei por uma livraria, encontrei um livro que me chamou a atenção:  "A Arte Descobre a Criança" por Eurico Gonçalves (tive de ir ver quem é, mas é um artista com uma carreira muito admirável, caramba, respect!).

Após leitura do primeiro capítulo, quis partilhar algumas dicas que ele nos dá para receber melhor a arte dos nossos filhos. 

1)  Não elogiar em demasia nem mostrar decepção ou tristeza. 

Ui. O que me farto de elogiar a Irene para tudo e mais alguma coisa. Já tinha lido sobre "os elogios" e como torná-los eficazes para ajudar a que se sinta mais segurança, mas confesso que me é difícil não reagir com espanto por estar mesmo espantada. Porém, faz sentido o que o autor diz. A criança é, neste contexto, um verdadeiro artista e "Se, por um lado, a criança sente tristeza perante a indiferença do adulto, por outro lado, acaba por se tornar insensível ao aplauso sistemático". 

2) A criança esquece-se do que desenhou. 

Não vale a pena (nem convém) perguntarmos-lhes o que desenharam e porquê (isto aquando das primeiras manifestações gráficas, quando são mais pequenos, claro). A melhor maneira de tentar perceber o que poderá estar a ser representado através de símbolos pelo pequeno artista será assistir ao processo, sem interferir. Observando e, muitas das vezes, ouvindo porque é habitual falarem durante o processo.

3) O tamanho dos objectos poderá representar maior relação/afectividade.

É frequente ou até expectável que nos primeiros desenhos não haja uma representação realista das pessoas, animais ou objectos. As crianças deixam transparecer ainda a perspectiva mais emocional da realidade. 

4) É normal que expresse muitas vezes o mesmo tema.

Não vale a pena tentar motivar o artista para outros temas. A criança representará o que estiver a ser trabalhado na sua mente e enquanto esse trabalho não estiver finalizado. "A expressão é motivada pelo que mais a impressiona" e "o tema da criança é ela própria", pelo que se desenhar uma piscina durante meses... é perceber que terá tido impacto nela e que está a "resolver". 

5) Cuidado com as perguntas.

Ui. Então eu que estou sempre numa de "dá valor ao que ela produz", tento envolver-me e certamente que sou guilty disto. Fazer as clássicas perguntas "Já pensaste no que vais pintar?", "O que pintaste? faz com que o fluxo normal, autêntico e catártico seja quebrado. Além do que, por ser tudo tão... "o que saiu" à criança, a resposta que ela nos dará será algo "do momento" em que perguntámos e por isso não tão cru como poderia ser o desenho, além de possivelmente parcialmente inibido por ter de traduzir para comunicação verbal e em confrontação directa.  É suposto ser uma actividade espontânea: "... nas actividades espontâneas, como a pintura livre, o tema não é dado, nem imposto (...). Esses limites condicionariam a própria liberdade de expressão, sendo esta faculdade que importa estimular e desenvolver". 

E aqui já entra algo que compreendo: dar espaço para que a criança desperte a sua criatividade. Sendo esta uma característica muito útil a muitos níveis, até a nível pessoal para saber enfrentar o dia-a-dia com outras soluções que vão além do imediato, expressando-se pessoalmente de forma que a faça mais feliz, etc. 

E foi também por isto que me me fez sentido falar da 2ª edição do Concurso de Desenho da Tosta Rica da Cuetara em que o vencedor vai ter o seu desenho nas bolachas a sério ! What? Eu acho que me passaria com isto se fosse miúda. Aliás, mesmo agora! Vai haver um júri que claro que terá em conta a idade da criança quando olhar para o desenho, por isso se ainda só tiverem pequenos girinos aí em casa, não se preocupem que caso haja já miúdos a darem-lhe forte, têm hipóteses. 

Mas, se não forem pessoas com muita fé nisto dos passatempos (eu não era quando participava nestas coisas), há prémios todos os dias. Também vão encontrar o melhor desenho do dia e, mesmo assim, já recebe o prémio espectacular que é ver o seu próprio desenho em bolachas. Uma lata de bolachas personalizado. Ahhhh!!! Quero participar! Não estou a gozar, só me vêm é palermices à cabeça hahah. Vá, seriedade.


https://2.bp.blogspot.com/-aLUyrHIsnoE/WnyeeZrPgjI/AAAAAAAAbjY/2qjtUY45dfEQrTXYa7qFitTO-01bjlsSgCLcBGAs/s640/IMG_0487.jpg


No final do concurso (acaba dia 31 de Março) vai haver uma compilação num caderno com muitos dos desenhos recebidos e que irão ser distribuídos em hospitais, no serviço de pediatria no Dia da Criança. Para além de tudo o que já vos tinha falado da importância do desenho e das crianças quererem ser levadas a sério, ainda há uma vertente solidária... oh!! Falar sobre estas coisas assim dá gosto.

Estive a experimentar participar no passatempo (Schh, não façam essa cara, não era para fingir que era a Madalena de 2 anos, era só para ver se era realmente fácil) e... é só irem (as crianças) ao site e usar o rato para desenhar numa bolacha o que quiserem, depois de um simples log in.

Por isso, toca a ir ao site ou então descarregar a app e fazer esses desenhos lindos.



A Irene agora está louca com a colecção da Ladybug da Tosta Rica da Cuetara (estou zangada com todas as mães que esgotaram esse disfarce de Carnaval porque era o que ela queria) e vai toda vaidosa de vez em quando com as Tosta Rica na lancheira. Passa o dia inteiro a fingir que é a Ladybug ou o Adrien e depois tem bolachas com os desenhos deles. Claro que se passa! É o equivalente a eu ter um par de ténis para estrear diariamente, para aí - tenho de traduzir o entusiasmo da minha filha para ténis para perceber melhor o que ela poderá sentir, ahah. Ah e vocês sabem o jeitaço que dá estarem divididas em saquinhos para não termos que andar a pô-las em tupperwares ou a embrulhar em celofanes e afins para irem no lanche deles.

Adorava saber que tinha sido algum dos vossos filhos a desenhar bolachas! Isso até deveria constar do currículo deles para sempre. :)



Nota: o Facebook decidiu mudar o seu algoritmo e a partir de agora vai mostrar-vos mais posts dos vossos amigos e menos de páginas onde fizeram like. Querem saber quando publicamos coisas?
👉 Aqui na página de Facebook da Mãe clicam onde diz “A Seguir” e seleccionam "Ver Primeiro"
Sigam-nos também no Instagram:

terça-feira, 13 de fevereiro de 2018

A escola das minhas filhas é a melhor!

Parece um daqueles argumentos saídos da boca de uma criança: "a minha escola é melhor que a tua". Mas, perdoem-me a infantilidade, estou mesmo muito contente com a escola em que a Luísa e a Isabel andam.


Primeiro que tudo: as pessoas. 
Na primeira escola da Isabel, não procurei muito. Encontrei, felizmente, uma escola que me enchia as medidas em três assuntos: as pessoas (até hoje tenho uma estima gigantesca pela primeira educadora e auxiliar que lhe calharam, uns amores e pessoas de confiança), a alimentação (era bastante boa, equilibrada e diversificada, com dia vegetariano e seitans e tofus lá pelo meio que a miúda comia na boa, quando em casa era um trinta e um) e o facto de estar relativamente perto do nosso trabalho e de nossa casa. Confesso que não dei uma grande importância ao modelo pedagógico, nem sabia bem o que isso era. Estava preocupada com outras coisas. Fiquei triste quando percebi que, até certa idade não iam à rua com regularidade, porque as fotografias dos miúdos no recreio a tomarem banho de mangueira tinham-me cativado. E chateava-me o facto de não haver horas de sesta mais livres e de acordo com as necessidades deles (com a idade dela, uma sesta depois de almoço era claramente insuficiente). Mas tudo bem. Ela estava a ser amada, acarinhada e estimulada e isso, para mim, era e é o principal. 
Continua a ser a prioridade. Mas, acho, agora e cada vez mais, que as pessoas podem ser melhores se tiverem mais ferramentas, se não tiverem muitos miúdos por sala, se o método / premissas / regras da escola forem também eles melhores, entre outras tantas condições e liberdades...
Gostei de todas as escolas em que a Isabel andou, cada uma com pessoas fantásticas e que a ajudaram a crescer, a ser autónoma, a comer... mas, não desfazendo nenhuma nem sendo injusta (até chorei quando a mudei de escola em Lisboa e em Santarém, por saber o quão especiais eram e o quanto dela gostavam...), mas gosto mais da forma com que lidam com as crianças na escola em que está agora, como lhes falam, o que esperam delas, o que lhes transmitem... não consigo explicar muito melhor do que isto.

Depois: a familiaridade/ participação dos pais.
Ali não há "mãe" para aqui e "pai" para ali. Sabem os nossos nomes. Podemos entrar "por ali fora". Podemos ir à cozinha. Dar pão à Luísa se nos pedir. Entrar nas salas. Sentarmo-nos na roda ou vê-los pintar caixas de ovos ou fazer bolas amachucando folhas de jornal. É bom sentirmo-nos parte e poder acompanhar o que fazem e como fazem, se tivermos essa disponibilidade. 

As actividades.
Gosto de saber que a primeira coisa que fazem na sala da Isabel, por exemplo, é sentarem-se em círculo, a falarem do que lhes apetecer (reunião). Cada um escreve na folha o nome (ou um desenho) caso queira participar e depois, quando chega o momento, fala do que quiser: do que fez, do que vai fazer, do relógio, do boneco, do pai, conta uma história e os outros escutam, fazem perguntas, o que surgir. Gostei de perceber pela conversa da Isabel toda feliz que estiveram a dar os ossos: "mãe, se tocar na minha cara sinto os ossinhos, e aqui nas mãos também". Gosto de saber que depois de uma história, fazem desenho inspirado nessa história. Gostei da forma como trabalharam em grupo, uns foram pintar as caixas, outros fazer as bolas (não há aquela coisa de fazerem todos o mesmo com as mesmas cores, etc, etc). Gosto quando tem de levar um ingrediente para fazerem lá pizza. Ou bolachas. Ou de quando saem para ir ao CCB ver instrumentos. Ou vão ver os cavalos. Ou ao Pavilhão do Conhecimento. Ou ao circo. Gosto do "mapa do tempo" onde desenham se está a chover ou sol. Gosto do jardim da escola. Gosto das histórias que por lá contam e do tempo para brincadeira livre também.

Pormenores que fazem a diferença.
E talvez não sejam pormenores de todo. O período de adaptação. Essencial, a meu ver, e que se verificou na forma rápida como a Luísa se afeiçoou à escola e às pessoas. A Isabel, no primeiro dia, quis logo ficar para a sesta, abençoada filha fácil. Foi o David quem fez o período de adaptação com a Luísa. Foi com elas no primeiro dia, voltou para casa só com a Luísa e voltou a ir buscar a Isabel, que quis logo ficar "o dia todo" no primeiro dia. No segundo dia, a Luísa ficou para almoçar. No terceiro ficou para a sesta, se não me falha a memória e o David ia logo buscar ao lanche. Depois, vimos que corria bem e lá ia ficando mais tempo - acho que na segunda semana já ficava o dia todo. Tudo feito com calma, nem entendo de outra forma, havendo disponibilidade dos pais. Não consigo perceber o que pode correr mal: é porque é injusto para os outros miúdos que estão lá sem pais, que podem ficar com saudades? Interrompe-se a normalidade? Os miúdos habituam-se à presença dos pais? É o quê mesmo, alguém me explica? O que é que justifica o arrancar dos filhos dos braços de uma mãe ou de um pai, que não pode passar da porta para a frente, nem ficar ali a mostrar ao filho que pode confiar naquelas pessoas e que não o está a abandonar com estranhos?
O facto da Isabel me ter vindo dizer que a educadora lhe tinha tido que ela ia ter de resolver o assunto com o J. (uma quezília qualquer que para lá houve, ficando "nas mãos" dos miúdos conversarem sobre o assunto e resolverem. Achei lindo este incutir de responsabilidade neles, sem ir na onda das queixinhas (que fazem parte, bem sei). Conversámos sobre o assunto no carro e percebi que aquilo tinha feito bem à Isabel para perceber que devia pedir desculpa no dia seguinte. Tem 3 anos mas vejo-lhe mais "maturidade" (não queria nada usar este termo) na gestão de conflitos e de sentimentos. Ela adora a educadora, diz que é a "peferida" na escola, logo seguida pela M., uma colega a quem cumprimenta sempre com um abraço quando chega (e que pede para ter 5 anos como ela para não ter de dormir mais a sesta). Isto, para mim, também é um ponto a favor: as turmas mistas. Completamente de acordo.
E, por último, poderem, Isabel e Luísa, estar juntas de manhã e ao final da tarde, numa sala comum. Isto também ajudou muito a adaptação da Luísa, claro. E a Isabel sentia-se muito "irmã mais velha" e fazia-nos o relatório todo, dizia-nos quando a Luísa ia à rua ou quando tinha feito birra ou brincado com ela. 

Estou a esquecer-me de coisas que me fazem gostar muito daquela escola, mas fica para a próxima. Já agora, estão numa escola MEM (Movimento Escola Moderna). :)





www.instagram.com/joanapaixaobras

Nota: o Facebook decidiu mudar o seu algoritmo e a partir de agora vai mostrar-vos mais posts dos vossos amigos e menos de páginas onde fizeram like. Querem saber quando publicamos coisas?
👉 Aqui na página de Facebook da Mãe clicam onde diz “A Seguir” e seleccionam "Ver Primeiro"
Sigam-nos também no Instagram:
E nos nossos pessoais:





domingo, 11 de fevereiro de 2018

Não quero dividir a minha filha.



Não tenho muito más lembranças de andar sempre com um saco para a frente e para trás à sexta-feira e ao domingo. Era rápida a fazer a mala para a casa do pai. Eram só dois dias e a roupa que levava não era minimamente relevante. Não naquela idade.

Gostava até de voltar "à casa do pai" e de ver as minhas coisas de lá.

Como se fossem mais privadas, mais secretas. Não tinha a minha roupa, não sentia que me incomodasse levar o saco, mas não queria que a Irene passasse por isso.

Então, tanto eu como o pai dela tentamos minimizar essa gestão. Ela tem roupa na casa da mãe e do pai. A única coisa que vai de um lado para o outro todos os dias de dormida é o coelhinho com que dorme e o boletim de saúde e cartão de cidadão. De resto, claro que há bonecos preferidos que têm de fazer a viagem, daqueles que vão mudando todas as semanas.


casa
Fotografia por 
The Love Project


Por outro lado, não me parece saudável esta divisão tão estanque dos objectos. Lembro-me que sentia que era duas pessoas, mudando até de voz consoante o pai com quem estivesse. Eles são muito diferentes um do outro, também tive que me adaptar muito. 


Queria que a Irene visse as coisas como fluídas. A casa do pai e a casa da mãe são só sítios dela e ela não está dividida. Já vos contei que não falamos mal um do outro, ok, mas como continuar esta filosofia noutras coisas?

A roupa do pai e os pijamas da roupa do pai que vêm para cá, vão devolvidos. A roupa da mãe também. E há brinquedos que não queremos que saiam das nossas coisas senão "fica sem eles". Por isso a solução que temos arranjado é: duplicar quando necessário.

A Irene tem uma viola pequenina (acho que é um ukelele, afinal) que ama na casa do pai e, para não andar com ela para a frente e para trás, comprei-lhe uma também. Tem a azul na casa do pai e a rosa na casa da mãe.

Vamo-nos entendendo aos poucos.

O ukelele chega na terça-feira, vai-se passar. :)

Cabelo por: Nela Cabeleireiros


Nota: o Facebook decidiu mudar o seu algoritmo e a partir de agora vai mostrar-vos mais posts dos vossos amigos e menos de páginas onde fizeram like. Querem saber quando publicamos coisas?
👉 Aqui na página de Facebook da Mãe clicam onde diz "A Seguir" e seleccionam "Ver Primeiro"
Sigam-nos também no Instagram: