sexta-feira, 20 de abril de 2018

É errado manipulá-la?


O que faço? Estou cheia de saudades de a ver de cabelinho curto. Fica com uma cara tão mais de boneca e realça tão mais os traços dela, a boca, fica tão delicada, mas ela não quer...

...há uma parte de mim que pensa: vou fazer campanha, propaganda e fazer-lhe a cabeça para não só ela ir cortar o cabelo como também irá gostar.

... há outra parte de mim que pensa: ela não quer, não quer. Ela lá sabe com usar o cabelo dela, não é? 

É. 

Mas fica ainda mais bonita de cabelo curto (e é tão mais fácil de lidar, agora no Verão também...). 


Nota: o Facebook decidiu mudar o seu algoritmo e a partir de agora vai mostrar-vos mais posts dos vossos amigos e menos de páginas onde fizeram like. Querem saber quando publicamos coisas?
👉 Aqui na página de Facebook da Mãe clicam onde diz “A Seguir” e seleccionam "Ver Primeiro"
Sigam-nos também no Instagram:

quinta-feira, 19 de abril de 2018

Sou capaz de me viciar nisto

Criei uma regra: todas as semanas, vou jantar com amigos ou com o David. Em casa de um, em casa de outro, num restaurante, num shopping... onde calhar e conforme as disponibilidades e a fase do mês (estou a falar daquela coisa chata que é uma conta bancária que vai ficando cada vez mais reduzida)...
Nem vos conto o bem que me faz! Uma noite por semana em que não tenho de me preocupar com mais nada, em que respiro fundo, tenho conversas de adultos, sem ter de apanhar arroz do chão ou dar  banhos. Não fico sequer de coração apertado porque sei que ficam sempre bem entregues e que este tempo de qualidade, de gente adulta e de gargalhadas me faz muito bem.

Há umas semanas fui com o Renato (aquele que dizem ser o meu amante) e com a Raquel, minha amiga de infância do tempo dos Onda Choc) ao Segundo Muelle. Não sei se conhecem mas é maravilhoso. Peruano, com comidas diferentes e muito saborosas. Uma óptima descoberta. Provamos imensas coisas boas (recomendo as banana chips e as entradas óptimas; o pisco sour como cocktail - mas é forte!; o sushi é óptimo mas há pratos típicos como o tacu tanque que é uma delícia).



O Este Oeste é sempre um sítio lindo com uma fusão de pratos japoneses com italianos que nunca falha - experimentem o spaghettoni e para sobremesa a mousse de oreo, que é de chorar por mais. É de onde vos escrevo. Já cá vinha antes da Isabel, com a Isabel, depois da Luísa (mas sem Luísa, coitadinha) e é um óptimo restaurante para um jantar de amigos ou para um almoço em família (é babyfriendly e tem uma esplanada óptima com vista para o rio Tejo, além de que podem sempre ir ao Museu Berardo).




Tenho aqui mais duas ou três recomendações mas os amigos chegaram! Ahah
Bom jantar, bons jantares, fora, em casa, com uma amiga, com o marido, como for... sabe tão bem!

Nota: o Facebook decidiu mudar o seu algoritmo e a partir de agora vai mostrar-vos mais posts dos vossos amigos e menos de páginas onde fizeram like. Querem saber quando publicamos coisas?
👉 Aqui na página de Facebook da Mãe clicam onde diz “A Seguir” e seleccionam "Ver Primeiro"
Sigam-nos também no Instagram:
E nos nossos pessoais:

Não há cá "calma"!!!

O pior que me podem dizer é para ter "calma" ou que "não é nada" ou que "vai passar". 

"Calma que um dia ela dorme a noite inteira".

"Calma que isso não é assim tão grave".

"Calma, também não exageres".

"Calma, não pode ser assim tão mau!"

Pode. 

Para quem esteja na plateia a ver-nos nadar, é simples: só faltam mais umas piscinas. Para quem já nadou umas 5000, não é mais uma piscina, não é "mais uma noite sem dormir", são "5001" piscinas e pior...

... é não ter opção. 

A vida não volta atrás (no fundo nem queremos), mas sabemos que a vida não volta para trás. Nunca mais. 

Não há opção. Porque, quando há, a mãe escolhe fazer outra coisa. Não é por haver outras coisas no mundo e outras coisas que as outras mães façam que existem outras opções. Cada mulher tem o seu percurso, sabe o que precisa e o quanto LHE custa. 

É normal que custe também. É normal que não dormindo, não descansando, tendo "agora" uma nova preocupação e constante e todas as outras que vêm daí (comer não comer, mamar não mamar, dormir não dormir, estar feliz ou não estar, estar doente não estar, escola certa ou errada, ...) nos moam a cabeça.

Deixem-nos dizer que estamos cansadas. Deixem-nos dizer que estamos tristes, irritadas, zangadas, desesperadas, É o que é, quando é. 

E nós, nós não somos fracas por estarmos tão cansadas e fartas que não nos conseguimos mexer. Nós somos enormes por continuarmos a fazê-lo. É o amor que nos move. E a determinação. 

E aqueles sorrisos...claro. Aqueles sorrisos... e os pés descalços... 

Se passarmos o que vivemos para uma imagem que nos ajude a perceber, é aquele momento em que já todas as forças faltam a quem faça um desporto, em que já chora de dores e cansaço mas que continua a correr. Nós nem opção temos, não dá para desistir (e ainda bem). 

Por isso, não há cá calma, pessoas.

Há cansaço. E deixem-nos falar o que quisermos. 



Nota: o Facebook decidiu mudar o seu algoritmo e a partir de agora vai mostrar-vos mais posts dos vossos amigos e menos de páginas onde fizeram like. Querem saber quando publicamos coisas?
👉 Aqui na página de Facebook da Mãe clicam onde diz “A Seguir” e seleccionam "Ver Primeiro"
Sigam-nos também no Instagram:

quarta-feira, 18 de abril de 2018

Por que é que é preciso mães como a Carolina Patrocínio

A primeira vez que espumei da boca a ler críticas relativamente à imagem fit da Carolina, estava ela grávida da primeira filha. Foi há quatro anos. Não era nada comigo, que também estava grávida, mas era. Foi num grupo de mães do Facebook. Não era nada comigo, mas senti que ninguém devia julgar os outros só pelo que se vê ou pelo que julga ver. Não era nada comigo, mas senti que tinha de a defender. Não faço juízos sobre juízos relativamente à imagem, ao bonito e ao feio. Será sempre subjectivo e cada um terá liberdade para expressar opiniões. Fiz juízos sobre os juízos que se faziam quando diziam que não era “normal”, que era “fútil” ou que colocava a saúde da filha em risco. Nem me consegui sequer rir da ignorância, não tinha sequer piada. É preciso haver mães como a Carolina para mostrar que a prática de desporto, quando continuada, quando acompanhada e quando nada na saúde da grávida aponta em contrário, faz bem. Foi preciso a Carolina dar o corpo às balas para se provar que, contrariamente ao que pessoas que não são médicas nem preparadores físicos sentenciavam, estava tudo OK.

Foi preciso uma segunda gravidez, levada da mesma forma, para que se provasse, mais uma vez, que há várias formas de se encarar uma gravidez e um pós-parto. Que nem toda a gente reage da mesma forma, tens as mesmas necessidades e vontades. E que as mães que sentem vontade de ir correr, sair com o marido ou desanuviar não estão a negligenciar os seus filhos (pleaseeeee). Podem vir dizer que “com ajudas também eu” que eu quase que punha a mão no fogo em como muitas de nós, nem mesmo com ajudas, teria a motivação e a força interior para acordar às 6h30 ou lá o que é para ir treinar.

Não precisamos de fazer um altar à Carolina, mas caraças, não custa muito dar a mão à palmatória e dizer que ela tem garra.

Não precisamos de lhe tirar o chapéu, mas caraças, não vamos, retirar-lhe mérito e, pior, arranjar sempre forma de a tentar puxar para baixo.



É preciso haver mães como a Carolina para que percebamos, de uma vez por todas, que somos todas diferentes, que temos vidas diferentes, prioridades diferentes e formas de estar diferentes. Que não são uns brincos, uma maquilhagem e um ar sereno de quem teve aparentemente um filho de forma fácil que lhe retira o poder e a força quase divina da maternidade. Nem todas temos de carpir, sofrer e fazer queixinhas. Há quem canalize as suas energias para outras coisas e há quem decida encarar o caos da maternidade de forma diferente daquela que escolhemos. Todas estão bem.

Se nos apoiássemos mais e odiássemos menos, sairíamos todas a ganhar.

Já eu, adorava ter a garra da Carolina para treinar. Mas não me ponho a arranjar desculpas nem a subvalorizar o esforço dela para me sentir melhor. Nem me ponho a carpir e a invejar vidas alheias. Não preciso disso para me sentir bem. Aceito a minha vida como ela é, o meu corpo como ele está (pelo menos por agora) e lido bem com as minhas escolhas, dentro daquilo que eu posso escolher.


A Carolina não precisa de nos pedir desculpa por ser como é. Nem nós temos de tentar ser como ela. Aceitemo-nos.

Nota: o Facebook decidiu mudar o seu algoritmo e a partir de agora vai mostrar-vos mais posts dos vossos amigos e menos de páginas onde fizeram like. Querem saber quando publicamos coisas?
👉 Aqui na página de Facebook da Mãe clicam onde diz “A Seguir” e seleccionam "Ver Primeiro"
Sigam-nos também no Instagram:
E nos nossos pessoais:

Que filha é esta? E estou a chorar porquê?

São raras as vezes em que passeio pelas fotografias da Irene quando era mais pequenina. Ando tão concentrada no presente (ou, erradamente, no futuro) que me vou esquecendo que todos os dias passam a passado e que todos os dias são dias novos em que ela estará a crescer e a mudar.

Aconteceu-me no outro dia porque tive de ir "ao disco" e dei por mim com grandes sentimentos de tristeza. Chorei. Como se (o que vou partilhar é uma estupidez e eu sei) a Irene de cada fotografia nunca mais voltasse e que eu não aproveitei o suficiente. 

O que vale e nisso ajuda-me muito o blog é que sei que independentemente de não conseguir sentir o sabor desses dias (por não parecerem ter passado por mim, seja por que motivo for) que, na altura, terei sempre amado e dado o meu melhor. Nos passeios diários quando ficar em casa me consumia, nos banhos em todos os momentos. 

Por alguma razão olho para o passado só com tristeza, como se me sentisse péssima mãe todos os dias e sei que não isso é verdade. Sei que estou longe de ser a mãe perfeita (se é que existe) ou até a melhor mãe que consiga ser, mas não entendo qual a razão para me massacrar tanto. 

Parece que tenho saudades dela por nunca a ter vivido e, no entanto, não tenho feito outra coisa. Que lágrimas são estas? 























Nota: o Facebook decidiu mudar o seu algoritmo e a partir de agora vai mostrar-vos mais posts dos vossos amigos e menos de páginas onde fizeram like. Querem saber quando publicamos coisas?
👉 Aqui na página de Facebook da Mãe clicam onde diz “A Seguir” e seleccionam "Ver Primeiro"
Sigam-nos também no Instagram:

terça-feira, 17 de abril de 2018

"Preciso só de um casaquinho!". Sim, sim. Perdi a cabeça.

Na manhã dos anos da Isabel, precisava de lhes comprar “só uns casaquinhos” e toda a gente já sabe onde esta conversa vai dar. É sempre "só" uma coisita, mas depois é que são elas.

Ora bem, desde que me mudei para Lisboa tem sido muito raro ir às compras, mas, quando vou, vou ao Alegro Alfragide. Perto da nossa casa, com restaurantes de que gosto (experimentem os risottos do Italian Republic que vão ver o que é bom), corredores grandes e arejados (tem gente, mas anda tudo à larga, não nos atropelamos nem há filas de meia hora) e com praticamente todas as lojas de que mais gosto: Zara, Fnac, Mango, Edicare, Oysho, Lanidor Kids.

Ainda para mais, tem estacionamento gratuito: odeio ir às compras e ainda ter parque para pagar. Depois, tem uma zona infantil que a Isabel adora, com escorregas enormes e sempre que lá vamos lembra-se do espetáculo da Bela e o Monstro no gelo, que adorámos, e da Cinderela no Gelo. Acho que foi o primeiríssimo a que ela foi e, mal sabe ela, também foi lá que fui pela primeira vez ao cinema com o David depois dela nascer (lembro-me tão bem de passar pela Imaginarium e de ter de comprar um brinquedo – uma luva com fantoches – para matar saudades, hormonas, hormonas…). Não achando que um centro comercial é "o sítio" para levar crianças a passear, sinto que o Alegro é uma boa opção não só para dias de chuva - com imensas atividades didáticas para eles, como aulas de inglês, pequenos espetáculos, aulas de costura, xadrez, eu sei lá - mas também para aliar o útil ao agradável e fazer programas pontualmente só com a mais velha: ela quis acompanhar-me nas compras e eu adorei a ideia!

Foi a nossa numa primeira ida às compras mãe-filha em que a Isabel já dava opiniões e ia fazendo comentários ao que eu ia vendo, ao que gostava e ao que não gostava (achei a maior piada). Fomos à Fnac comprar a prenda da prima e fomos à Zara comprar os tais casaquinhos e, claro está, mais umas quantas peças que vieram agarradas, como estes macacões.

Vejam lá se não ficaram um amor?!




 



 



E porque mãe também é gente, já lá voltei e aproveitei para trazer também coisas para mim. Uma delas foi este vestido, da Oysho, lindão, que vos mostro aqui em baixo. Da Mango trouxe um macacão de linho que estou desertinha para usar, umas calças e uma camisola. Depois mostro-vos (e o vestido e o fofo maravilhosos que trouxe para elas da Lanidor Kids: sim, os nossos filhos ficam sempre em clara vantagem nisto das roupas, não ficam?! Também compram muito mais roupa para eles do que para vocês?).







Nota: o Facebook decidiu mudar o seu algoritmo e a partir de agora vai mostrar-vos mais posts dos vossos amigos e menos de páginas onde fizeram like. Querem saber quando publicamos coisas?
👉 Aqui na página de Facebook da Mãe clicam onde diz “A Seguir” e seleccionam "Ver Primeiro"
Sigam-nos também no Instagram:
E nos nossos pessoais: